Os Benefícios do Óleo Essencial de Melaleuca

O óleo essencial de melaleuca é um daqueles produtos que não pode faltar na nossa prateleira. Com diversos usos e benefícios, o óleo extraído da planta pertencente à mesma família do eucalipto tem sido usado por séculos em regiões da Austrália e Nova Zelândia. Os cientistas descobriram que uma das suas principais qualidades é ser um excelente antisséptico, além de anti-inflamatório potente.

.

Por que usar o óleo essencial de melaleuca

.

De produtos de limpeza caseiros ao tratamento de feridas de pele, o óleo de melaleuca se mostrou um dos óleos essenciais mais poderosos e multifuncionais. A capacidade de matar bactérias, vírus e fungos, além de agir como um excelente anti-inflamatório são algumas propriedades que os pesquisadores descobriram no óleo.

Apesar de ser um desinfetante potente, matando germes e sendo utilizado até mesmo na composição de produtos de limpeza, o óleo de melaleuca é também suave o suficiente para ser aplicado na pele. (1)

A descoberta do potencial germicida dessa substância aconteceu em 1920, quando um químico australiano descobriu em suas pesquisas que o óleo de melaleuca era 13 vezes mais eficiente para combater infecções que o ácido carbólico, um desinfetante comum da época.

Os benefícios do óleo e seus usos são muito diversos. Confira alguns:

.

.

1) O óleo de melaleuca combate a acne e problemas de pele

.

.

Por muitos séculos os povos têm usado o óleo de melaleuca para combater as bactérias que causam mau cheiro no corpo e acne. Algumas das bactérias presentes na pele que são resistentes a muitos medicamentos são sensíveis à ação do óleo, sendo eficaz para combater infecções de pele.

Foi o que um estudo conduzido em 2017 na Austrália mostrou. Os pesquisadores estudaram dois grupos, um que fez uso do óleo de melaleuca e outro que realizou apenas a limpeza da pele sem o produto. O que eles descobriram foi uma redução nas lesões de pele no grupo que fez uso da planta. Além disso, os efeitos adversos foram mínimos, como descamação leve e ressecamento, que se resolveram espontaneamente. (2)

Muito além da acne, o óleo de melaleuca se mostrou eficaz contra muitas outras condições de pele, como psoríase, eczemas, dermatite, feridas, queimaduras solares, verrugas e picadas de inseto.

Pessoas com feridas crônicas, geralmente de difícil tratamento, também se beneficiaram do uso do óleo. (3)

.

.

2) O óleo de Melaleuca é um ótimo repelente de insetos

.

.

Os povos indígenas nativos da Austrália já utilizavam o óleo de melaleuca como repelente de insetos. Foi o que pesquisadores brasileiros comprovaram ao estudar as propriedades da substância, que se mostrou eficaz contra espécies de moscas.

.

.

3) Óleo de Melaleuca é excelente para a saúde bucal

.

.

Apesar de não ser recomendada a ingestão do óleo sem a ajuda de um profissional competente, o óleo de melaleuca tem se mostrado eficaz para combater problemas odontológicos. Os efeitos antibacterianos e antifúngicos do óleo também são capazes de atuar na boca, tratando periodontites crônicas e reduzindo o mau hálito.

O óleo também pode ser usado após cirurgias bucais, quando há um aumento de chance de infecções bacterianas ou fúngicas.

.

.

4) Melaleuca combate vírus e os mais diversos tipos de infecção

.

.

O óleo de melaleuca definitivamente é um dos produtos naturais mais efetivos contra infecções dos mais diversos tipos. De infecções de pele causadas por bactérias resistentes – e que são um grande desafio entre os médicos – até micoses simples como o pé-de-atleta, o óleo tem se mostrado eficaz.

Estudos laboratoriais mostraram que o óleo de melaleuca pode impedir a replicação de bactérias como a Pseudomonas aeruginosa, a E. coli, o H. influenzae, o S. pyogenes e o S. pneumoniae, todos capazes de gerar infecções graves em seres humanos que incluem pneumonia, infecções urinárias, infecções no sangue e impetigo, entre outras. (4)

Outra confirmação interessante que os cientistas tiveram foi que o óleo de melaleuca, entre muitos outros, não causou interações medicamentosas com os antibióticos vendidos nas farmácias. Muito pelo contrário, alguns dos óleos estudados tiveram um efeito sinérgico com os antibióticos prescritos pelos médicos, o que significa que melhoraram ainda mais a ação dos remédios contra as bactérias que causavam as infecções.

Além da capacidade de combater graves infecções bacterianas, a atividade antifúngica do óleo de melaleuca também chama a atenção. O óleo tem a capacidade de combater doenças como candidíase, coceiras intensas, pé-de-atleta e micoses nas unhas, geralmente difíceis de tratar. Um estudo mostrou a capacidade do óleo de combater o pé-de-atleta, com números muito baixos de efeitos colaterais. (5)

Os vírus também podem ser combatidos com o óleo de melaleuca. Um estudo demonstrou que ele possui atividade contra o vírus da herpes e da gripe. Provavelmente essa capacidade do óleo se dá pelo terpinen-4-ol, o principal agente presente. (6)

As verrugas são outro alvo do óleo de melaleuca. Um estudo de caso mostrou que quando aplicado de maneira tópica sobre as verrugas pode fazê-la desaparecer em menos de 2 semanas. (7)

O óleo tem sido usado por muitas décadas para aliviar a coceira intensa da varicela (também chamada de catapora), e até contra cepas do vírus H1N1 tem mostrado efeito promissor.

.

.

5) Pode evitar o surgimento de superbactérias

.

.

Com o uso desenfreado de antibióticos, cada dia mais bactérias resistentes aos fármacos têm surgido e preocupado os cientistas. Um dos efeitos promissores do óleo de melaleuca é combater o surgimento dessas superbactérias, que têm alta capacidade de gerarem doenças graves e intratáveis.

Óleos essenciais como o de melaleuca e o de orégano estão sendo usados em conjunto com remédios convencionais para infecções, devido às suas propriedades bactericidas sem efeitos colaterais graves como os medicamentos. Uma pesquisa mostrou a capacidade que o óleo de melaleuca tem de agir de maneira sinérgica com os antibióticos convencionais, aumentando seu efeito bactericida.

O componente mais abundante do óleo de melaleuca alternifolia é o terpinen-4-ol, potente antibacteriano e antifúngico. Mas esse não é o único componente do óleo, que possui mais de 100 substâncias químicas usadas para diferentes finalidades. Por causa desta complexidade, os micro-organismos não conseguem criar resistência ao óleo de Melaleuca. (8)

Essa descoberta implicaria na prevenção do surgimento dessas bactérias resistentes a múltiplos antibióticos, o que é de extrema importância para a medicina e para o cuidado dos pacientes com infecções graves.

.

.

6) O óleo essencial de Melaleuca melhora problemas respiratórios

.

.

O óleo de melaleuca tem sido usado secularmente para tratar problemas pulmonares e infecções. Um estudo de 2016 mostrou a eficácia do óleo em combater pneumonia causada por bactérias e por fungos. (9)

Uma das formas de se beneficiar dessa propriedade do óleo é inalar vapor de água morna com algumas gotas do produto. Ao fazer isso duas vezes ao dia, os sintomas de congestão nasal e pulmonar são aliviados. Você também pode adicionar outros óleos essenciais à água, como óleo de orégano, de limão e de hortelã-pimenta, aumentando os efeitos.

.

7) O óleo de Melaleuca é bom para combater piolhos e sarna

.

.

Uma forma natural de combater piolhos em crianças e adultos é o óleo de melaleuca. Os pequenos parasitas que causam coceira podem ser eliminados com a ajuda do produto natural.

O efeito é tão importante que um estudo realizado na Itália mostrou que quando expostos ao óleo de melaleuca, 100% dos parasitas foram eliminados após 30 minutos e evitando ainda o surgimento de novos parasitas.

Um outro estudo desenvolvido na Austrália mostrou que uma solução com apenas 5% de óleo de melaleuca foi altamente eficaz para combater os ácaros que causam a sarna, sendo um excelente tratamento natural para a condição. (10)

.

.

8) Estimula o sistema imune

.

Outro potencial importante do óleo de melaleuca é o de fortalecer o sistema de defesas do corpo. O óleo é capaz de estimular células do sistema imune conhecidas como macrófagos, envolvidos na destruição de bactérias, células cancerígenas e patógenos em geral.

.

.

Como usar o óleo de melaleuca

.

Na pele: Você pode aplicar o óleo de melaleuca diretamente na pele ou diluí-lo em algum óleo carreador, como o óleo de coco por exemplo, e aplicar sobre a região que deseja tratar, massageando. Você também pode misturar algumas gotas em um borrifador com óleo ou álcool de cereais e aplicar na pele como um repelente natural de insetos.

.

Para o ambiente: para manter insetos longe, basta adicionar algumas gotas do óleo do difusor de aromas do ambiente. Outra forma de usar o produto em casa é misturar algumas gotas com óleo de limão, vinagre e água, aplicando a mistura em bancadas, utensílios de cozinha, chuveiros e vasos sanitários. A mistura é capaz de atuar como um desinfetante natural, matando germes.

.

Para roupas mofadas: basta adicionar algumas gotas de óleo de melaleuca ao seu sabão em pó. A mistura é capaz de acabar com o mofo das roupas de maneira natural.

.

Para feridas e cortes: limpe a ferida com água oxigenada, aplique 2 gotas do óleo de melaleuca e 2 gotas do óleo essencial de lavanda, para ter uma cicatrização mais efetiva. Cubra com uma bandagem.

.

.

Como não usar o óleo de melaleuca

.

Nunca use Óleo essencial de Melaleuca na Calcinha.

Algumas vezes vemos na Internet dicas estranhas de uso de óleos essenciais. O de pingar óleo essencial na calcinha para tratar cândida e infeções urinárias é uma dessas dicas sem fundamento algum e que pode ser muito prejudicial para quem a segue.

O óleo essencial de melaleuca não é dermocáustico. Em tratamento de espinhas no rosto, por exemplo, pode ser aplicado diretamente na pele sem problemas.

Mas quando você pinga o óleo essencial na calcinha, coloca uma calça jeans e fica com aquilo em contato com as suas partes íntimas o dia todo pode sim ganhar uma bela queimadura na região.

.

Assista a este vídeo do André Ferraz em que ele fala sobre isto:

.

.

.

> Veja Aqui Onde Comprar o Óleo Essencial de Melaleuca

 

> Baixe o Ebook grátis

.

.

.

Fontes de estudos científicos:

(1) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22653070

(2) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27000386

(3) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15525915

(4) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1360273/

(5) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12121393

(6) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11338678

(7) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18940708

(8) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3950955/

(9) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1360273/

(10) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1360273/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *