Tem muita cânfora no seu óleo essencial de lavanda?

Desde que comecei a estudar aromaterapia entendi a importância de usar óleos essenciais cromatografados. A cromatografia é a análise dos compostos químicos presentes nos óleos essenciais. Através desta análise feita em laboratório podemos saber se o óleo essencial é puro ou não e se tem os componentes químicos desejados.

Quando decidi que trabalharia com venda de óleos essenciais, defini algumas premissas:

1 – Escolher marcas que prezam pela qualidade dos óleos e, portanto, que fazem cromatografia deles.

2 – Comparar as marcas e optar pelas que oferecem melhor relação custo-benefício.

A premissa 1 restringiu bastante a minha opção de empresas para trabalhar, já que muitas não fazem cromatografia dos seus óleos.

Acabei decidindo trabalhar com duas empresas brasileiras que fazem cromatografia de seus óleos essenciais, são tradicionais no mercado e oferecem óleos com boa qualidade a preços justos.

E estava tudo bem.

Até que, recentemente, eu estava assistindo a uma palestra online do aromaterapeuta André Ferraz em que ele fala sobre como escolher óleos essenciais e seus fornecedores.

 

 

Ele disse que a cromatografia de um óleo essencial de lavanda angustifolia (também chamada de lavanda francesa ou lavanda verdadeira) deve conter cerca de 30% de linalool, 30% de acetato de linalila e no máximo 1% de cânfora. Óleos essenciais de lavanda angustifolia com mais de 1% de cânfora é um óleo adulterado, disse ele.

Na mesma hora, fui conferir a cromatografia do óleo essencial de lavanda angustifolia de uma das empresas que eu estava revendendo no momento.

 

Cânfora 5.2%?!!

Na hora liguei para a vendedora da empresa e pedi para ela cancelar a minha encomenda de óleo essencial de lavanda. Expliquei o por que e ela ficou de me retornar com uma explicação o mais breve possível.

Comecei a buscar um outro óleo essencial de lavanda francesa com bom custo-benefício para substituir no meu site.

A lavanda que eu vendia custava no mercado 49,90. Outras empresas dessas que não fazem cromatografia vendem por este preço também.

Confesso que a tentação foi grande, mas optei por me manter firma na premissa 1.

Encontrei então a lavanda fina de uma terceira empresa pelo preço de R$74,00. Perguntei pela cromatografia e eles me disseram que fazem de todos os lotes, estão no site e podem ser baixadas por quem quiser consultar.

 

 

Linalool 33,7%

Acetato de Linalila 31%

Cânfora 0,3% (bem menos do que 1%!)

 

Comparei o preço com outras lavandas finas no mercado. Pela questão do custo-benefício, optei pela lavanda fina desta empresa.

 

Mas qual o problema da Cânfora no óleo essencial de Lavanda?

A cânfora é um princípio ativo muito bom para tratar vias respiratórias, é descongestionante nasal, antisséptico, anestésico para dores locais, inseticida, estimulante da circulação sanguínea e da digestão.

É também um estimulante mental, ajudando a afastar o estado de sonolência.

Este é o primeiro problema, já que o óleo essencial de lavanda é mais procurado para ajudar a quem quer dormir melhor.

Além disso, o óleo essencial de lavanda é considerado seguro para hipertensos enquanto que óleos essenciais que contém doses altas de cânfora não.

Outros óleos essenciais de lavanda, como a dentata, que é a mais comum no Brasil, e o Lavandim, uma outra espécie de lavanda, são ricos em cânfora e por isso não são indicados para tratamentos de insônia e nem para uso em hipertensos.

 

Resposta da empresa sobre seu Óleo de Lavanda

 

Depois de alguns dias que eu cancelei minha encomenda de óleo essencial de lavanda, o proprietário desta empresa me ligou.

Ele explicou que os óleos essenciais de lavanda têm vindo da França nos últimos anos com a porcentagem de cânfora um pouco maior, mas que isto não significa necessariamente que os óleos sejam adulterados. Todos os seus lotes passam por cromatografia e os que estão à venda passaram nos testes necessários para aprovação.

Segundo ele, isto pode estar acontecendo por causa da forma como a lavanda é colhida na França, com pouco controle na mistura de outros tipos de lavanda. Ou seja, no processo de colheita, outros tipos de lavanda, como o lavandim, que é mais rico em cânfora, podem acabar entrando na destilação.

Já a lavanda fina tem maior controle e cuidado na colheita, por isso tem menos mistura de outras lavandas com cânfora e seu custo acaba sendo mais alto.

Ele também disse que 5% ainda é uma porcentagem muito baixa para ser tóxica ou perigosa para hipertensos e que remédios como o Vick Vaporub, que tem mais de 30% de cânfora, são considerados seguros.

Ele também disse que esta informação de que o óleo essencial de lavanda angustifolia pode ter no máximo 1% de cânfora não é um consenso no mercado e que não existe uma determinação formal sobre este limite. Entretanto, ele vai buscar esta informação e, se for real, vai buscar também respeitar este limite em seus óleos de lavanda

Conclusões…

1 – Empresas que vendem lavanda angustifolia e não fazem cromatografia (a grande maioria do mercado) podem estar deixando passar óleos de lavanda com índice de cânfora ainda mais alto do que 5%, o que pode acabar não sendo interessante para hipertensos e nem para quem quer o óleo para relaxar e dormir melhor.

2 – Se você quer uma lavanda francesa sem mistura com lavandim, não basta saber se a lavanda é francesa ou não, o ideal mesmo é que ela seja fina. O valor vai ser um pouco mais alto, mas talvez valha à pena.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *